Traduza para outra Lingua!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

SERIA ASSIM QUE CRISTO ANDARIA?



O atual presidente da corporação Mórmon ou “d'A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias” passeia cotidianamente e tranquilamente pelas ruas de Salt Lake City. Aos olhos dos membros da Igreja, que por acaso cruzam com essa cena urbana de Utah parece-lhes maravilhoso ver o “seu profeta” interagindo no meio do povo, ainda mais nesse estado americano, que a maioria é composta de Mórmons.
Todavia, há a visão dos “não Mórmons”. Para esses, parece estranho que o hipotético “profeta” da também hipotética e suposta “única igreja verdadeira” transite a passeio por Salt Lake City em um carro blindado.
Esse segundo grupo considera que um carro blindado representa uma elevada despesa aos cofres da organização religiosa. Seu uso representa uma espécie de “luxo” para figuras públicas em ambientes perigosos, o que não seria o caso do cotidiano de Salt Lake.
Construir um carro blindado é um processo muito difícil, já que para isso deve-se adquirir primeiro o carro em questão e daí reconstruí-lo com complexos detalhes de segurança complicada, o que o torna ainda mais caro. Estes carros não são somente caros e difíceis de produzir, mas também requerem altíssimos custos de manutenção, até ao ponto de ter que trocar o motor de tempo em tempo.
Um detalhe notado no carro de Thomas S. Monson é que estranhamente, as janelas se abrem, o que não é recomendado para esses veículos. Isso aumenta consideravelmente o gasto do carro. O carro utilizado pelo líder Mórmon é um “Audi A8” de 900 mil dólares.
A recomendação para uso desse tipo de veículo é que ele deve ser usado em lugares onde existam substancial ameaça de segurança. Por que será que o presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias precisa de um carro blindado? Existem poucas fábricas desse tipo de veículo blindado no mundo. Será que para o presidente Monson há algum perigo no ambiente em que está inserido na capital do mormonismo?
Ou seria ele, o presidente Monson uma pessoa muito odiada, inclusive dentro da própria cidade de Salt Lake? Por que mesmo ele precisa de um carro blindado? São perguntas que merecem, sem dúvida, de uma resposta. Tanto para o primeiro grupo de pessoas, os membros da igreja. E também para a satisfação do segundo, os não membros da igreja.
Após a divulgação dessa fotografia muitas pessoas, algumas críticas do mormonismo e outros membros professos questionaram o uso dos garments mágicos impostos por meio de promessas nos templos. “Será que nem o profeta confia no poder mágico dos garments para parar uma bala disparada contra sua pessoa? O que esperar então para a proteção de um membro simples do mormonismo?”
Uma pessoa que não se identificou, mas que disse ser um técnico de som relatou ao ver essa fotografia do Presidente Monson que certa vez foi chamado para  resolver um problema técnico num piano numa Conferência de Estaca. Ao se aproximar do local onde estava o Apóstolo designado para presidir a Conferência somente pode executar seus serviços depois de ser quase que revistado por seguranças desse pretenso “Homem Santo”.
Já alguns membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ao defender seu líder afirmam categoricamente que Thomas S. Monson não anda rodeado de seguranças nos supermercados de Salt Lake City. Eu ouso afirmar que nem em supermercado ele vai. Ele não é uma figura popular e não se mistura com as massas comuns de Utah.
Uma amiga minha que mora em Utah me relatou certa vez que Thomas S. Monson vive numa espécie de clausura. Quando aparece em público precisa ser extremamente maquiado com muito pó de arroz no rosto para esconder rugas e manchas do seu rosto. O marketing pessoal é o que vale.
Lembro que seu antecessor, Gordon B. Hinckley estava com mais de 90 anos e sua fotografia nas publicações da igreja era de um homem mais novo. Que tipo de homem é exatamente um “profeta Mórmon?”