Traduza para outra Lingua!

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

UM GRANDE TEATRO


Fernando De Siqueira

Fui membro da Igreja por 25 anos. Percebi que há uma grande contradição entre a doutrina e o comportamento dos membros. Não só pela falta de assistência aos pobres e falta de apoio à comunidade, não apenas isso. O que foi falado por ex-membros da Igreja (...) da organização “Mãos que Ajudam” é verdade em parte porque as atividades sempre são muito divulgadas, sempre buscando fazer uma associação com a Igreja, propaganda mesmo, enquanto que o evangelho ensina que não deve ser assim quando se faz um bem ao próximo.
O que vi é que o orgulho corrompe a espiritualidade dos membros. É o principio mais ensinado no Livro de Mórmon, o orgulho. Mas parece que os membros não entendem o que está escrito. Isso acontece principalmente devido ao fato de que a doutrina faz muitas promessas aos membros, a promessa maior é que se tornarão como Deus, isto é, serão Deuses.
Isso é muito complicado e perigoso. Colocar uma idéia assim na cabeça de uma pessoa. Independente do grau de instrução ou da maturidade da pessoa. É uma promessa que acaba fazendo com que a pessoa acredite ser alguém especial, superior, predestinado ao sucesso e melhor dos os outros "que não tem o conhecimento" como disse um líder.
As pessoas se tornam assim orgulhosas e começam a julgar uns aos outros. Os membros que não se encaixam na doutrina ou têm dificuldade de praticar ou de crer, são julgados, rotulados e tratados como cidadãos de segunda, como se fossem doentes ou marginais.
É comum, justamente aquelas famílias mais antigas, fortes, firmes no evangelho terem pessoas que não cumprimentam, ignoram os membros menos ativos ou aqueles que tiveram alguma dificuldade em cumprir os ensinamentos.
É comum formarem panelinhas que excluem as outras pessoas e discriminam. Julgam, rotulam e excluem as pessoas. Lá na igreja tive problemas, fui rotulado, fui julgado pela minha idade, por uma série de outras coisas. Conheci poucas pessoas que realmente podem ser consideradas cristãs.
De resto, tudo é artificial, desde os testemunhos, as reuniões e as atividades. É como se tudo fosse um grande teatro para mostrar aos outros que são perfeitos, sábios, poderosos e altamente espirituais, quando na verdade são pessoas que estão fingindo ser o que não são.
Mas o pior de tudo isso, é que nunca reconhecem seus erros ou pedem desculpas. Fingem que não fizeram nada e seguem fazendo a mesma coisa de sempre. Orando e prestando testemunhos e fazendo discursos como se fossem grandes filhos de Deus.
Lá dentro da Igreja vi de tudo. Bispo que promovia os parentes e amigos, sendo que alguns deles eram desonestos nos negócios e outros não tinham respeito nem educação com os membros, mas o Bispo os promovia. Vi líderes desonestos. Vi líderes abusados e sem respeito com os outros.
Conheci missionários que paqueravam a esposa do pesquisador que estava sendo ensinado por eles, conheci filha de líder da igreja, sumo-sacerdote, que se insinuavam para mim quando eu era casado sabendo que eu era casado.
Conheci Presidente de Estaca que não ajudava em nada, mas queria julgar e rotular as pessoas e simplesmente não fazia nada. Eu acho isso errado. Acho que é por isso que nas estatísticas da Igreja em qualquer Ala ou Ramo vão ver que o número de membros afastados ou inativos é muito maior do que o número de membros ativos. Isso é um sinal claro de que há algo muito errado acontecendo na Igreja. Os líderes sabem, mas ignoram e fingem que está tudo certo.
Acho que o tempo é o melhor remédio para as pessoas saberem como funciona aquilo lá. Pois com o tempo a maioria se afasta. Alguns em poucos meses, outros após muitos anos, como foi o meu caso. O mais triste é que nada é feito para melhorar esta situação.

Comentário na postagem https://www.paulopes.com.br/2012/02/ex-bispo-diz-como-igreja-dos-mormons.html#.W5AXfiRKjZ4