Traduza para outra Lingua!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

DOZE PASSOS PARA A RECUPERAÇÃO DO MORMONISMO!




Milhares de pessoas que sofrem com a devastação do alcoolismo foram ajudados pelo programa de “Doze Passos”. Desenvolvido pelos Alcoólicos Anônimos. Também existem muitos outros programas para a recuperação de dependentes de drogas. Pessoas que tiveram problemas com “comida em excesso” e outros comportamentos de dependências ou vícios, se adaptaram perfeitamente ao programa de “Doze Passos” dos Alcoólicos Anônimos.
Aquelas pessoas que recentemente deixaram o mormonismo, geralmente estão tendo problemas semelhantes de recuperação. Antes que possam ter uma recaída, apresento-lhes uma adaptação do programa de “Doze Passos” para ajudar os ex-Mórmons na recuperação de mormonismo. Assimilem esses passos e coloquem em prática imediatamente. Isso lhes ajudará a retomarem o controle de suas vidas.

1.     Admito ser impotente para mudar o fato de ter sido Mórmon por boa parte da minha vida. Seja porque eu nasci Mórmon, por ter pais Mórmons, ou porque eu voluntariamente me converti ao mormonismo;

2.     Percebo claramente, que tenho dentro de mim o poder de libertar-me da parte sombria do meu prejudicial passado Mórmon (com ou sem a ajuda de um poder superior, se é que eu acredite que possa haver um), e que eu não sou mais obrigado a fazer promessas ou convênios que os líderes Mórmons me induziram a fazer no passado, com base em falsas promessas do mormonismo.

3.     Faço a mim mesmo, solenemente, uma promessa firme e convicta, de no futuro, somente ouvir a voz da razão. A racionalidade e as evidências de fatos serão decisivas nas minhas tomadas de decisões, sobre como deverei viver e conduzir minha vida, rejeitando todos os apelos emocionais, inclusive os de culpa, indução de ameaças, mitos, histórias bonitas, promessas de castelos ou de seres suspensos no ar e superstições.

4.     Faço uma busca no meu inventário moral e intelectual, sem medo de mim mesmo, com o objetivo de reconhecer em mim, os pontos fracos que me induziram a permanecer no mormonismo por tanto tempo.
5.     Escreverei detalhadamente para me dar plena confiança no futuro, as razões específicas que me levaram a permanecer muitos anos no mormonismo. Isso, com o objetivo de me dar autoconfiança e não mais me deixar errar em situações semelhantes.

6.      Tomo a decisão de fazer o que é certo, aceitar quaisquer consequências que me levem a reconhecer a verdade e a racionalidade. Decido viver, de agora em diante, em conformidade com esses preceitos.

7.     Começarei a trabalhar imediatamente com cada um dos meus problemas mentais, corporais e espirituais (caso eu acredite em tal coisa) herdados da intrínseca relação com o mormonismo.

8.     Farei uma lista das pessoas que julgo ser importantes, para que saibam da minha decisão e das mudanças que estou fazendo na minha vida. Quero me preparar para discutir emocionalmente e mais importante que isso, discutir racionalmente, essa minha decisão com todos eles. Entendo que muitas delas podem reagir com raiva, agressividade, explosões, ou outras coisas desagradáveis.

9.     Discutirei a minha decisão com elas (exceto nos casos que eu acredito que possa machucar ou criar danos a elas. Então não discutirei) de uma maneira calma, amigável e amorosa, sem rebater seus argumentos.

10.   Continuarei a fazer um inventário pessoal em meu lar. Onde eu encontrar artefatos, livros, revistas, filmes do mormonismo, considerarei cuidadosamente, se essas coisas podem fazer parte de minha vida ou se devo descartá-las.

11.   Buscarei a verdade onde quer que eu possa encontrá-la, seja religiosa ou secular.

12.  Tendo tido um despertar de renovação, como resultado destes passos, tentarei ser útil para recuperar outras pessoas ou ajudá-las a repugnar o mormonismo. Usarei todas as minhas forças para isso, escrevendo, falando ou demonstrando o que é o mormonismo por experiências adquiridas.

Adaptado por Antonio Carlos Popinhaki a partir dos 12 passos de Matt B e Packham Richard, http://www.exmormonfoundation.org/12step.html



5 comentários:

  1. Ernesto Che (ex presidente de estaca)12 de agosto de 2011 08:44:00 BRT

    Realmente não é fácil admitir que se é um dependente químico ao mesmo tempo que não é nada fácil também admitir que se desperdiçou longos anos em uma ilusão, o que é pior, admitir que ingenuamente defendia esta suposta verdade como sendo a única, e que acima de todas as coisas estavam líderes com o "coselho perfeito".

    Mas é o primeiro passo para a nova vida, vida que de fato e não por simples imaginação será verdadeiramente feliz. É preciso ter força e coragem para mudar.

    E uma das coisas que nos ajuda muito é o conhecimento secular, pessoas sem acesso a informação e com dificuldade de interpretação das coisas jamais terão a força para efetuar esta mudança maravilhosa da escravidão para a liberdade plena e estarão sujeitas a viverem em um estado de escuridão e com complexo de culpa.

    Ao pensar nesta mudança de vida me vejo no lugar de pessoas que marcaram a história da humanidade, muitos tiveram suas vozes caladas pela inquisição, pela tortura, pelo medo e muitos também acabaram morrendo sem ao menos terem o reconhecimento pela audácia de se levantarem contra a opressão. Hoje são pessoas reconhecidas.

    Sempre vejo o mormonismo tal como o catolicismo que na ansia pelo poder aniquila toda a forma racional que possa ser expressada, colocando em condição inferior todo aquele que tenta usar a forma sensata de se conhecer o mundo.

    ResponderExcluir
  2. ....................................................................

    '


    é muito importante apos sair do mormonismo, continuar com açoes qui nos conserve dignas ou dignos, procurar momentos de diversão equilibrados como dançar, sair com amigos de vida correta pra rir um pouco e conversar, e continuar ingerindo alimentos qui beneficiam a saúde!

    '

    ¨ ¨ ¨ Juliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vocẽ acha que café faz bem a saúde ,vá em frente! estudos recentes da ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE dizem justamente o contrário estudos da UNIVERSIDADE ADVENTISTA mostram que esta porcaria cataboliza o zinco do organismo,ou seja elimina-o através das fezes e urina.como todo o bom profissional de saúde sabe,o zinco é um dos principais elementos para a produção natural de insulina do nosso corpo.conclusão sem o zinco, a chance de tornar-se diabético, é aumentada consideravelmente.ESTUDOS RECENTES DA ASSOCIAÇÃO MUNDIAL DE MEDICINA PSIQUIÁTRICA mostra que portadores de transtorno bipolar têem seu quadro clínico agravado pelo consumo de café.em recente reportagem na rede record, em seu programa da tarde, tudo isto foi mostrado.

      Excluir
  3. O mormonismo faz tanto mal para as pessoas que é necessário a comparação com dependentes químicos ou drogados. Também é necessário a elaboração de um programa para que os envolvidos com essa doutrina possam se libertar de vez e voltarem a ter uma vida completamente normal.

    ResponderExcluir
  4. (Via Facebook)

    Olavo Dos Santos Martins

    Antonio Carlos, lí o seu artigo sobre os doze passos para recuperar-nos do mormonismo. Eu ainda estou me curando das feridas produzidas pelas mentiras ou meias-verdades que a mim e a minha familia foram ensinadas, ano-após-ano, durante 30 anos de minha vida e de minha esposa. Os nossos filhos não sofreram tantos danos, desde que são ainda bem jovens. O meu mais velho, o Braz Teodoro, tem apenas 15 anos. A minha caçulinha, 10. Nos últimos anos, comecei à perceber coisas estranhas no mormonismo. Uma delas, a mudança das ordenanças do templo. Eu fui, pela primeira vez, em 1981. Em 1990, se não me falha a memória, tinham ocorrido "diversas" modificações. Alguns privilégios que alguns líderes tinham e os demais não, também. Os chamados também me pareciam, às vezes, incompreensíveis. E, sempre eram os mesmos que trocavam de chamado. Havia uma "panelinha" na igreja. Mas, eu não queria creer nisso, pois os chamados são supostamente inspirados "do alto." Bem, através da internet pude finalmente "abrir os olhos" e "encaixar as peças que faltavam para entender como as coisas funcionavam. Fiquei triste, escandalizado e revoltado. Os meus filhos me acompanharam em minha decisão de deixar a morg, em março do ano passado. A minha esposa frequentou alguns meses mais, pagando o dízimo e usando as suas investiduras, até que um dia também, se deu conta que os meus estudos tinham fundamento e que ela estava "em um barco furado.."

    ResponderExcluir