Traduza para outra Lingua!

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

ESTUDOS SOBRE A POPULAÇÃO DO LIVRO DE MÓRMON!


Um homem, de nome John C. Kunich, que serviu à Igreja Mórmon fielmente por muitos anos, fez uma considerável pesquisa e lançou uma considerável dúvida sobre a veracidade da revelação extra bíblica da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais especificamente, o Livro de Mórmon. Este livro alega derivar do “espírito de profecia”. Ao lê-lo percebemos a narrativa da história de um pequeno grupo de judeus, que migraram de Jerusalém para o Novo Mundo, muito antes do nascimento de Cristo. Esse grupo, de cerca de 30 indivíduos, tornou-se uma grande civilização, que se dividiu em facções, que passaram a combater-se entre si, resultando assim, em milhões de mortos.
Kunich declara: “Com base em minha formação em Biologia, sabia que algo estava errado no que eu lia aqui. (...) Realizei algumas pesquisas quanto ao crescimento da população humana, ao longo da história, e descobri que nenhum dos índices relatados poderia ter produzido os resultados constantes do Livro de Mórmon.”
Kunich descobriu que as alegações de crescimento populacional do Livro de Mórmon equivaleriam a 50 vezes o que se acha em qualquer civilização histórica.
O Livro de Mórmon inclui números populacionais específicos, que permitem uma avaliação das taxas de crescimento. Há ainda uma cronologia de datas, que podem ser correlacionadas com os números populacionais apresentados. Segundo John Kunich: “as afirmações de crescimento da população no Livro de Mórmon se aproxima do ridículo. Por exemplo, por volta de 187 a.C., a taxa de crescimento dos Nefitas e os descendentes de Leí, era de trinta vezes a taxa que existia no mundo, como um todo, durante a mesma época.”
Em 87 a.C., em Alma 2:17-19 relata um total de 19.094 mortes na guerra entre os nefitas e os anlicitas. Com base nestes números, John Sorenson, um professor de antropologia na Universidade Brigham Young, estimou que a população total dos nefitas e lamanitas naquela data, era de mais de 600.000 habitantes (cerca de 200.000 nefitas e anlicitas e mais de 400.000 lamanitas).
Partindo dos trinta indivíduos que estavam em condições reprodutivas em 590 a.C., para a proliferação de 19.094 em 87 a.C. exigiria uma taxa de crescimento médio anual de 1,3% sustentada ao longo do período de cinco séculos.
Para atingir o nível de 600 mil, número estimado de nefitas e lamanitas existentes em 87 a.C., pelo professor John Sorenson, a taxa de crescimento, teria que ser de 2 por cento, mais uma vez mantida durante cinco séculos. Este é um nível nunca alcançado em escala global até 1960. Isso significa cinquenta vezes a taxa real mundial da época pré-industrial. 
Além do mais, é uma taxa que, mesmo quando atingida, só pode persistir brevemente. No entanto, o Livro de Mórmon afirma, de forma inédita para os pesquisadores modernos, taxas de crescimento anuais, acima das taxas de crescimento populacionais conhecidas. Considere estas taxas de crescimento reais, em médias percentuais anuais para comparação:






















             Em seu livro “Especulações populacionais sobre o Livro de Mórmon”, o escritor Vern Elefson, em 1984 estimou que a taxa de crescimento apresentada no livro deveu-se aos efeitos supostamente salutares de espaço e de abundância de recursos naturais. Também de ausências de pessoas portadoras de doenças. Mesmo assim, seu melhor palpite foi uma taxa média anual de crescimento de 1,5 por cento.
Entretanto, o “deserto inabitado” é nada mais, nada menos do que uma utopia para os nefitas e lamanitas, especialmente tendo em conta as suas inclinações para a guerra, conforme indicado em Jacó.

“(...)o tempo passou para nós e nossa vida, também passou como se fosse um sonho, sendo nós um povo solitário e solene, errante, expulso de Jerusalém, nascido em meio a tribulações num deserto e odiado por nossos irmãos, o que causou guerras e contendas; assim, lamentamo-nos até o fim de nossos dias”. (Jacó 7:26)

Depois de analisar as estatísticas de crescimento populacional do Livro de Mórmon, o estudioso Mórmon John C. Kunich concluiu:

“(...) é evidente, que o grande número de pessoas do Livro de Mórmon não poderia ter sido produzido, a partir de pequenos grupos de colonizadores leítas e mulequitas. (...) Dada a evidência apresentada neste ensaio, é razoável concluir, que alguns dos detalhes dos acontecimentos no Livro de Mórmon não são literalmente históricos.”

A taxa mundial atual de crescimento populacional é de 1,2% ao ano.

http://www.brasilescola.com/geografia/o-crescimento-populacional-no-mundo.htm

(John C. Kunich, New Approaches to the Book of Mormon: Multiply Exceedingly: Book of Mormon Population Sizes , pp. 247, 265) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário